Como avaliar o perfil do empreendedor no pré-deal?

Avaliar o perfil do empreendedor pré-deal é importante porque as transações de fusões e aquisições de empresas requerem grandes análises e estratégias, já que é uma fase na qual grandes premissas são assumidas, mesmo sem muita informação disponível.

Dessa forma, é justamente na etapa anterior à assinatura do contrato que todas as situações devem ser checadas para evitar circunstâncias desagradáveis no futuro. Afinal, uma escolha correta significa, no mínimo, muito dinheiro economizado, além de outros recursos, como tempo.

Assim, escolher um perfil empreendedor no pré-deal é uma tarefa que deve ser feita de forma cautelosa, já que, se mal conduzida, pode gerar grandes perdas, tanto para as companhias, como para as partes envolvidas.

Neste post, vamos falar um pouco mais sobre como avaliar o perfil do empreendedor no pré-deal. 

O que levar em consideração ao avaliar o perfil do empreendedor no pré-deal?

Geralmente, temos duas linhas de motivação que as organizações consideram ao adotar um processo de fusão e aquisições, sendo a primeira — e mais comum — melhorar a performance atual da empresa.

Menos explorada pela maioria das organizações, uma outra motivação é procurar reinvenção ou redirecionamento no modelo de negócio atual. Nesse segundo caso, o alinhamento das atividades e eventos da empresa não pode ser a prioridade, já que o possível choque cultural entre as organizações com certeza tenderá a interferir de forma ampla nas operações e modelos adotados anteriormente, o que pode resultar em uma operação fracassada.

Portanto, seja qual for a motivação adotada para um pré-deal, é fundamental que seja realizado um planejamento anterior ao processo de integração. As ações devem ser meticulosas e bem estruturadas, capazes de prever riscos no que diz respeito à operação.

Separamos para você alguns dos pontos críticos, que precisam ser analisados, a fim de que a fase de planejamento tenha êxito. 

Motivação do empreendedor

É preciso analisar os motivos que levaram o empreendedor a buscar uma fusão e/ou aquisição. A empresa dele realmente está pronta para receber investimentos? As auditorias estão em dia? Os processos estão estruturados? Qual a reputação do empreendedor e da empresa?

Faça o levantamento dessas informações antes de pensar em dar o segundo passo rumo a essa nova sociedade.

Estimativas de crescimento do faturamento

O mercado de fusões e aquisições estima que mais de dois terços das fusões não atingem as projeções de crescimento do faturamento planejadas inicialmente.

Isso porque as organizações, não raro, superestimam o cross-selling, que deve ser o resultado da operação, ao mesmo tempo em que minimizam a perda natural de alguns clientes.

Portanto, fazer projeções de acordo com a realidade da empresa e alinhadas com a situação atual da indústria são de fundamental importância para o sucesso de uma transação.

Capacidade de analisar corretamente as dificuldades de integração

É comum encontrar dificuldades após o processo de integração. Por exemplo, perder funcionários que agregavam valor à operação e que foram desligados, subestimando seu valor para a empresa, pode tornar mais difícil ou, até mesmo, inviabilizar um processo de fusão.

Dessa forma, a mudança do time de colaboradores, principalmente de lideranças que usavam seu relacionamento em benefício da organização, deve ser considerada no planejamento, de forma a antecipar e criar soluções de contingência para suprir essas possíveis perdas.

Outros elementos, como choques culturais, operações com processos incompatíveis e diferentes sistemas de informática, de forma frequente, representam altos desafios de integração.

Preparo e domínio do plano de negócios

É evidente quando um empreendedor é despreparado, pois ele deixa a desejar no nível de domínio das situações de mercado, das necessidades do cliente e, até mesmo, das questões que envolvem a própria empresa.

Assim, é necessário testar e certificar-se do preparo do empreendedor, para verificar se ele estudou o seu próprio plano de negócios. O empreendedor também deve estudar a dinâmica do venture capital e compreender o que é e como funciona esse tipo de recurso de investimento.

Empatia e habilidades de comunicação

Não raro, empreendedores são indicados ao processo de seleção para fusões e aquisições por meio de algumas recomendações. Quando outros empresários nos quais o investidor confia põem a sua reputação para indicar alguém, as chances de sucesso no encontro de ótimos profissionais são muito grandes.

Além disso, profissionais com bom relacionamento interpessoal e habilidade de comunicação fazem melhores contratações, captam mais dinheiro e vendem mais.

Comprometimento

Acompanhar os empreendedores por um período de tempo antes de decidir investir é muito importante para reduzir os riscos. Nesse período, é possível analisar como a empresa cresceu até aquele momento e o quanto o empreendedor se entrega na busca de resultados.

Para avaliar o comprometimento do empreendedor, é importante ficar atento a como ele corre atrás dos objetivos, se informa as suas conquistas mais relevantes para potenciais investidores e como se relaciona com o mercado.

Outros fatores devem ser levados em consideração no pré-deal, como veremos a seguir.

Timing

Os gestores costumam subestimar o tempo que deve ser empregado para a captura de sinergias. Dessa forma, ao mesmo tempo em que o planejamento precisa evidenciar uma visão real do tempo necessário para a integração, é preciso zelar para que esse processo não seja demasiadamente longo.

Isso porque, de forma geral, os alinhamentos que não se concretizam no primeiro ano após a transação raras vezes acontecerão após esse período.

Due Diligence

Para que a o planejamento de fusão ou aquisição seja o mais sólido e realista possível, devemos ficar atentos à fase de Due Diligence. Esse período tem por objetivo analisar o negócio das empresas envolvidas na transação de modo a reduzir riscos futuros, assegurando uma maior precisão nas análises.

Já as possíveis questões encontradas durante a auditoria devem estar explicitadas nos acordos contratuais da transação, assegurando a linha de ação no caso de possíveis desordens.

Como pudemos elucidar ao longo do conteúdo, avaliar o perfil do empreendedor no pré-deal é de fundamental importância para mitigar os riscos das transações e garantir um processo mais alinhado com as expectativas de todos os envolvidos.

Se você gostou deste post sobre como avaliar o perfil do empreendedor no pré-deal, assine nossa newsletter para receber mais conteúdos como este!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This