Entenda a importância de investir na educação executiva

O desenvolvimento e aprendizado contínuo têm sido grandes desafios para os executivos. Isso porque, apesar dos anos de experiência, esses profissionais estão imersos nas mudanças de mercado, movidas pela tecnologia, economia globalizada e mudanças sociais.

Essas transformações exigem das organizações e dos profissionais um ritmo de atualização constante, e nesse cenário, a educação executiva é uma forte aliada, visto que equipes que ignoram o seu aperfeiçoamento correm o risco de não se manterem.

Empresas de alto rendimento já entenderam que investir em capacitação, principalmente da alta gestão e do corpo de executivos, garante a elas diferenciais competitivos importantes para se destacar no mercado.

Neste post vamos falar da importância de se investir na educação executiva e quais as principais vantagens. Prossiga a leitura.

O que é e educação executiva?

André Pasternak, sócio diretor da Amrop 2GET, explica que a educação executiva refere-se aos cursos de curta duração, que podem ser focados no desenvolvimento das competências técnicas, comportamentais e de gestão.

“Quando se fala de cursos de curta duração, são cursos voltados para profissionais que já têm entre 5 e 7 anos de experiência no mercado de trabalho corporativo ou como empreendedor. Para os executivos C-Level, que respondem diretamente para o presidente de uma empresa, é muito comum os cursos de educação executiva com maior duração. A exemplo, temos o MBA In Company, que duram de 1 a 2 anos, e servem como mecanismos para reter os talentos”, explica.

Além disso, o diretor esclarece que a educação executiva pode ser dividida a partir de duas premissas: cursos de curta duração com o advento da educação à distância — que estão sendo mais frequentes porque teve um marco regulatório do MEC que permite a abertura de mais polos de EAD com menos burocracia — e no C-Level, com MBA In Company.

Pasternak ainda defende que o conceito de educação executiva é muito mais complexo. “Não se pode generalizar que são cursos após a graduação universitária. Os líderes precisam entender o padrão mínimo de educação executiva e se empenhar em buscar o que é minimamente aceitável pela organização e cada empresa tem a sua política”, argumenta.

Ainda segundo o diretor, é muito comum o MBA In Company que duram de 1 a 2 anos e servem como mecanismos para reter os talentos.

Qual a importância da educação executiva?

Para Pasternak, nos dias atuais, a velocidade de reciclagem e atualização do conhecimento é exponencial. “Estamos na área da informação, das redes sociais, da internet e com a disponibilização de conteúdo em tempo real, ou seja, se você não recicla o conhecimento, fica para atrás e hoje isso é feito de maneira exponencial”, afirma.

Ele ainda reforça que, por outro lado, as pessoas também têm menos tempo e elas precisam de um modelo de educação executiva que concilie longas jornadas de trabalho, pois o executivo faz cada vez mais com cada vez menos em termos de equipe, e isso deve permitir que ele tenha um equilíbrio entre o modelo das longas jornadas de trabalho e as competências necessárias para enfrentar o mercado.

“O Brasil tem um hiato interessante desde o ensino fundamental. Não estamos acostumados a desenvolver resiliência, lidar com frustrações, tomar riscos e saber trabalhar em equipe. Muitas pessoas, quando adultas, continuam com essas lacunas, mesmo as que tiveram acesso a uma educação básica de qualidade. Nesse cenário, a educação executiva está tendo que tomar conceitos que, teoricamente, para quem teve uma educação básica, já deveriam estar segmentados”, analisar Pasternak.

Além disso, Pasternak reforça que o investimento em educação é uma necessidade constante. “Não conheço executivos ou empreendedores de sucesso que nunca se reciclaram ou não tentaram dominar um pouco mais de algum assunto que não conheciam. Nesse caso fala-se de cursos de educação executiva no sentido amplo” argumenta o diretor, referindo-se também a capacitação em línguas, como o inglês, e a outras competências.

Nesse cenário, fica claro que a busca pelo conhecimento é uma constante, e que precisa da atenção de todos os profissionais que buscam uma posição de destaque no mercado.

Quais as vantagens de se investir em educação executiva?

Veja, a seguir, alguns dos principais benefícios ao se investir em educação executiva.

Otimização dos processos

Com uma educação executiva permanente, é possível otimizar os recursos da organização, aproveitando melhor seus serviços e atividades, elevando-os ao seu máximo potencial.

Além disso, existe uma melhora no desempenho dos executivos, o que torna mais fácil desenvolver e aperfeiçoar a produtividade dos funcionários.

Liderança efetiva

O conhecimento fomentado pela educação corporativa proporciona mais interações com o mercado em que se deseja atuar. Dessa forma, os gestores se tornam capazes de se familiarizar de forma mais rápida e tomar melhores decisões em sua função de liderança.

Construção do conhecimento coletivo

Ao se investir em educação corporativa, consequentemente é observado o aumento do conhecimento de todos os funcionários, o que também acarreta na melhora dos processos internos.

Como desenvolver novas habilidades?

Num cenário competitivo, desenvolver novas habilidades é fundamental, e o processo de onboarding pode ajudar muito na formação dos executivos, aliando a teoria da sala de aula com a prática.

“Arrisca-se a dizer que a maior parte dos candidatos estão preparados para os desafios de mercado, mas nem todos estão capacitados para os desafios da futura governança que estarão inseridos” destaca.

Pasternak ainda relata que esse é um aspecto que a Amrop 2GET tem se diferenciado do mercado. “Hoje trabalhamos com posições de alta liderança. Quando é colocado um executivo em uma empresa, são oferecidas seis sessões de onboarding nos três primeiros meses de companhia para ajudar na adaptação cultural”, diz.

Assim, o desenvolvimento de novas habilidades também passa pela vivência prática de questões relacionadas às necessidades da empresa.

Como vimos ao longo deste post, a educação executiva tem ganhado espaço nas empresas brasileiras por ser uma referência para o desenvolvimento do capital humano, partindo da formação dos executivos, que, capacitados, podem passar esse conhecimento a outros níveis hierárquicos da organização.

Nesse contexto, a educação executiva é capaz de desenvolver perfis qualificados de liderança, aumentar os níveis de eficiência do trabalho, e transformar todo o cotidiano gerencial de uma empresa.

Se você gostou deste post sobre a importância de investir na educação executiva ou tem dúvidas sobre o assunto, deixe seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This